quarta-feira, 5 de novembro de 2014

LPO - Lagoa Rodrigo de Freitas


Está localizada na Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. É uma lagoa de água salgada, e se comunica com o Oceano Atlântico através de um canal. A lagoa deu nome a um bairro de mesmo nome que está em toda a sua volta e faz fronteira com os bairros Humaitá, Jardim Botânico, Gávea, Leblon, Ipanema, e Copacabana. O bairro é habitado principalmente por moradores das classes A e B, e possui duas avenidas principais, que percorrem a lagoa em lados opostos, e começam e terminam juntas: Av. Epitácio Pessoa e Av. Borges de Medeiros. Ambas começam no início do Canal do Jardim de Alá, percorrem lados opostos a partir da lagoa, e terminal no mesmo lugar, na fronteira com o bairro do Humaitá, na entrada do Túnel Rebouças. Por ser um bairro muito estreito, possui poucas ruas transversais e estas são muito pequenas em comprimento, e algumas possuem apenas um único quarteirão. O perímetro atual da lagoa é de aproximadamente 7,5 quilômetros. 




Originalmente era ocupada por índios Tamoios, mas a sua ocupação pelos colonizadores começou na década seguinte à fundação da cidade, no sec. 16. O Governador e Capitão-Mor da Capitania do Rio de Janeiro Antônio Salema, resolveu instalar um engenho de açúcar nas margens da lagoa. Para expulsar os índios do lugar, o português usou de uma tática mórbida: mandou espalhar por toda a área roupas de pessoas infectadas por varíola. Assim, com o passar do tempo, conseguiu dizimar a população indígena da lagoa. Começou então o plantio da cana-de-açúcar e a construção do Engenho Del Rey. Este engenho ficava onde hoje funciona o Centro de Visitantes do Jardim Botânico.
Após décadas e décadas trocando de dono, no início do sec. 18 as terras da lagoa pertenciam à Petronília Fagundes, que se casou com um jovem oficial português chamado Rodrigo de Freitas de Carvalho. A partir daí, a lagoa passou a ter o nome do marido da proprietária, visto que naquele tempo se casava com comunhão universal de bens. Após ficar viúvo, Rodrigo de Freitas retornou à Portugal, onde faleceu em 1748. As terras ficaram em mãos de arrendatários. Com a chegada da Família Real em 1808, o Engenho foi desapropriado para a construção de uma fábrica de pólvora, e também no local foi criado o Real Horto – atual Jardim Botânico.



A Lagoa possui duas ilhas: uma natural, onde está a sede esportiva do Clube Naval – Piraquê, e outra artificial, a ilha dos Caiçaras onde, na década de 1930, foi construído o ainda existente Clube dos Caiçaras. Esta última foi criada a partir da dragagem do canal do Jardim de Alá, que une a lagoa ao mar.
Ao longo dos tempos, foram sendo aterradas várias partes das margens da lagoa, o que diminuiu muito o seu espelho d'água. Estes aterros destinavam-se à construção de edificações, criação e alargamentos de ruas. Na década de 1980 foram criados espaços de lazer e gastronomia, que hoje estão entre os lugares mais freqüentados da Zona Sul da cidade.
Podemos citar algumas edificações conhecidas que estão em torno da Lagoa: os clubes Flamengo, Jóquei Clube Brasileiro, as sedes náuticas do Vasco da Gama e do Botafogo, Paissandú (fundado por ingleses), Monte Líbano (famoso pelos bailes de Carnaval), as igrejas S. Margarida Maria, Pequena Cruzada, e S. José (formato redondo, muito interessante, dos anos 1960 e projetada por Edgard Fonseca, o mesmo da Catedral Metropolitana da Av. Chile), a obra social Obra do Berço (creche para crianças de famílias de baixa renda). 
Um lugar bastante conhecido é o Estádio de Remo, construído na década de 1950, onde se realizaram as provas de remos dos Jogos Panamericanos de 2007, e possui em anexo um espaço gastronômico, o Espaço Lagoon, que é muito badalado no Rio.  Ao lado do estádio existe um heliporto, o qual é muito usado por particulares e passeios turísticos de helicóptero pela cidade. 
Para finalizar a lista dos lugares podemos citar o Parque da Catacumba, que é uma grande área de lazer com um belo projeto paisagístico, localizado na encosta de um morro. Possui bastante árvores, caminhos pavimentados, além de uma trilha para o alto do morro, de onde se tem uma bela vista da lagoa. Este parque é muito procurado pelos turistas. Em frente ao parque, nas margens da lagoa, existe um espaço gastronômico com quiosques e um grande estacionamento para veículos.
A quase totalidade dos imóveis do bairro são residenciais, mas existem alguns bares e restaurantes bastante freqüentados.
A Lagoa hoje é circundada por uma ciclovia e uma pista para caminhada e corrida, e tornou-se um dos lugares mais procurados da cidade para essas atividades. Existem também dois lugares de aluguel de pedalinhos.



Desde a década de 1990, na época do Natal, é instalada no meio da lagoa uma imensa árvore de Natal, que produz um show de luzes muito interessante com o espelho d'água. Durante a permanência da árvore, à noite a região torna-se um dos lugares mais procurados da cidade.

Quanto à fauna, existem várias espécies de peixes, que hoje em dia não são tão abundantes como no passado, mas podemos citar as tainhas e os paratis que vem do mar para se reproduzirem na lagoa. Ainda hoje existe uma diminuta cooperativa de pescadores, com os poucos que restaram nos dias de hoje. Pode-se ver pássaros entre os quais as lindas garças e os marrecos, que são muito abundantes na área e costumam dormir empoleirados nas árvores que circundam a lagoa. De vez em quando vê-se uma capivara pelos mangues que ainda restam.
A partir do bairro Lagoa tem-se acesso ao Túnel Rebouças que, junto com o Aterro do Flamengo, são os principais acessos ao Centro da cidade a partir da Zona Sul.
Outro lugar conhecido da Lagoa é a Fonte da Saudade, onde antes havia uma praia com uma fonte de água. As lavadeiras portuguesas se reuniam ali para lavar as roupas dos fregueses e conversar saudosamente sobre a sua terra natal.
O bairro Lagoa é o terceiro mais valorizado do Rio de Janeiro, e está atrás apenas dos bairros Ipanema e Leblon.


Imagens: Google Imagens

Por: José Antônio Caldas
Guia de turismos na cidade do Rio de Janeiro
Contato: (21) 98869-6358
nossoguia@loucosporoculos.com

Equipe LPO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por estar na Loucos por Óculos!